Por que implantar ações ergonômicas nas empresas?


Funcionários têm um menor acometimento de doenças ocupacionais, além de possuírem um local de trabalho que facilita a execução das tarefas
A Ergonomia é a ciência que estuda o homem e suas capacidades, tanto físicas quanto intelectuais, e formas de como adaptá-la ao trabalho. Na prática, a ergonomia é a base de conhecimento que utilizamos para que o posto e, consequentemente, o local de trabalho do funcionário seja saudável e que permita a ele exercer sua função da melhor maneira possível.

Os funcionários das empresas que investem em ergonomia têm um menor acometimento de doenças ocupacionais, além de possuírem um local de trabalho que facilita o desempenho de suas tarefas. O Ministério do Trabalho e Emprego possui a Norma Regulamentadora 17, que orienta toda empresa a ter a Análise Ergonômica do Trabalho (AET), documento no qual o profissional indica as melhorias para que o posto de trabalho atenda às necessidades mínimas de ergonomia.

A AET conta com um caderno de ações baseado no uso do FMEA, uma metodologia de Análise de Tipo e Efeito de Falha, que analisa os tipos de problemas que podem ocorrer no trabalho de ergonomia. Em seguida, são avaliados os riscos da causa de cada falha e, com base nesta avaliação, são tomadas as ações necessárias para diminuir estes riscos e aumentar a confiabilidade do trabalho de ergonomia. A aplicação da ergonomia é feita por meio do diagnóstico ergonômico, que consiste em avaliar o risco de cada posto de trabalho e cria uma estratégia para definir a sequência de ações ergonômicas para a melhoria de cada local. Além disso, um plano de ação é desenvolvido para avaliação e documentação dos resultados. Também é realizada a formação e gerenciamento do Coergo (Comitê de Ergonomia), grupo de trabalhadores que definem a estratégia de melhoria ergonômica da empresa, implantam e monitoram as ações. Por fim, realiza-se o acompanhamento dos processos trabalhistas relacionados à ergonomia.

Alison Alfred Klein,
fisioterapeuta do trabalho e diretor-técnico do Sefit Prevenção Laboral